Pular para o conteúdo

O rio grande já foi terra de voleibol

21/12/2017

Arthur Ruschel da Silva

totoruschel96@gmail.com

Alexsandro Bauer acompanhou o projeto desde o início: “Saudade de ver esse ginásio lotado”

Equipe de voleibol Ulbra foi tricampeã da superliga masculina

Tesourinha lotado,12×8, a Ulbra/Diadora perde por 2 sets a 1 e precisa reverter o placar a favor da poderosa Olimpikus. O levantador argentino Weber, da equipe gaúcha, havia entrado na metade do terceiro set, machucado, e com o seu 1,80 altura, bloqueou Giba, de 1,92. Era ele a personificação da raça gaúcha que permitiu a virada no quarto set e a vitória no tie-break. A Ulbra conquistava uma importante resultado que seria o combustível para o último jogo no Rio de Janeiro.

A vitória em Porto Alegre foi o começo da ascensão de uma grande equipe que marcou época. No jogo em solo carioca, a Ulbra venceu os donos da casa por 3×1, e sagrou-se campeã da Superliga de voleibol, temporada 97/98. Essa cena se repetiria nas temporadas seguintes. A equipe foi tri-campeã da competição (98/99 e 02/03). Anos dourados do voleibol gaúcho. Hoje, o que resta são apenas lembranças.

Memórias estas vividas de perto por Alexsandro Alves Bauer, coordenador de esportes do complexo esportivo da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra). Na época, Alex era responsável pelo almoxarifado e coordenação dos jogos. Acompanhou o projeto desde o seu início.

A intenção era ser um grande clube. Com o futebol tínhamos uma parceria com o Inter, já no vôlei, era com a universidade. O primeiro ano foi bem desafiador, mas ao poucos fomos pegando a ‘manha’”, lembrou.

Alex também estava naquele fatídico dia 16 de abril de 1998, em que a grande virada aconteceu. Ele recorda como era trabalhar e ao mesmo tempo ser torcedor do clube:

Quando tu trabalha em um clube, tu veste a camisa. Todo o teu emocional é trabalhado. Todo mundo tava gritando, apoiando. Éramos uma equipe nova que a região metropolitana abraçou”, comentou.

O coordenador também destacou a participação e o engajamento da cidade para o sucesso da equipe: “A cidade abraçou de coração o projeto. tinha gente que estava em todos os jogos. Mandavam mensagem de apoio”, e finaliza: “Todos os jogos não baixava de 1000 pessoas”. O ginásio, onde a equipe treinava e jogava, tinha capacidade para 1200 pessoas.

Hora de montar a equipe

A tarefa de reunir o elenco para o início o projeto foi incumbida ao experiente técnico Jorginho Schimdt. O treinador já havia sido campeão da superliga, comandando a também gaúcha equipe da Frango Sul/Ginástica. Com o fechamento do time, Schimdt se transferiu para a recém iniciada Ulbra.

Desde o início eu tive muita confiança e consistência no projeto que me foi apresentado. A estrutura que a Ulbra tinha para treinamentos, fisioterapia e parte física era um exemplo para tudo isso.”, ressaltou.

Com a chegada de um patrocinador, a equipe pode enfim montar um elenco competitivo para a disputa da superliga de 97/98. Desde o início, a Ulbra/Diadora era apontada como “zebra” da competição.

Para um time que se classificou em 4 lugar, e foi campeão, o respaldo acabou sendo muito grande. Tudo isso foi graças a um planejamento feito entre equipe e a própria universidade.”, afirmou.

Schimdt também ressaltou a importância da sua passagem na equipe para o seu crescimento profissional:

Eu não tenho dúvida que a propulsão que a Ulbra deu para minha carreira esportiva foi muito grande. Meu crescimento teve muito a ver com esforço próprio, e do apoio que eu tive naquele tempo.”, enfatizou. Hoje Jorginho atua como secretário de Esportes da prefeitura de Novo Hamburgo

O elenco era formado por atletas como Weber, Alex Lenz, Fernandão , André Heller, Mâncio, Celso, Marcelo Fronckowiak, Fink, Joel, Hernani, Jeffe, Gatin, Wilian, Jonas, Betão e Gilson, o Mão de Pilão.

Equipe campã da temporada 97/98, primeiro título da Ulbra

Muitos profissionais e atletas foram “crias” da equipe

Foi uma parte fundamental da minha trajetória. Eu realmente me tornei um atleta profisional la. Ganhava salário, eu morei na Ulbra, estudei.”, afirmou o campeão olímpico, em 2004, pela seleção brasileira, André Heller. O central tinha apenas 20 anos quando se transferiu da recém extinta Frango Sul/Ginástica, para a Ulbra/Diadora, em 1996.

A força dessa equipe era ser muito heterogênea. Tínhamos jogadores de todos os níveis, características e perfis. Isso deixava a equipe muito forte. Sabíamos que no papel não éramos a melhor equipe, mas trabalhávamos muito.” ressaltou.

Hoje, André trabalha como gestor da equipe do Vôlei Renata, da cidade de Campinas – SP.

Marcel Matz, atual técnico do Lebes/Canoas, único representante do estado na superliga atual, também iniciou sua carreira profissional nas quadras da Ulbra. O ano era 2002, e o técnico entrou como estagiário na comissão técnica da equipe.

Pela primeira vez eu pude sentir começar a entender oq era uma semana inteira de trabalho. Foi um ‘start’. Agora estou colhendo e tentando aplicar o que eu aprendi.”, comentou o treinador.

A temporada de 02/03 foi o último título da Ulbra como representante do Rio Grande do Sul. “Era um grupo jovem, mas com jogadores maduros como Ricardinho e Marcelo Negrão. Era um equipe muito batalhadora.”, relembrou Matz.

O elenco da temporada também era composto por Dentinho, Rapha, Acácio, Riad, Renato Felizardo, Lilico, Bozko, Duda, Jardel, Thiago Peter, Dante Trevisan, Alan, Roberto, Cris e a revelação, Roberto Minuzzi. O técnico era Marcelo Fronckowiak.

Em 2006, a Ulbra passa a representar, também, o estado de São Paulo, disputando dois campeonatos estaduais. A temporada 08/09 ficou marcada como a última edição com a participação da equipe. O time já vinha sofrendo com a falta de patrocinadores e a crise econômica, por isso, fechou as portas.

De qualquer forma, o voleibol da Ulbra deixou sua marca como uma das maiores e mais vitoriosas equipes da história do vôlei nacional. De weber até Ricardinho, Gilson até Minuzzi, de um Tesourinha lotado à um ginásio com capacidade para 1200 pessoas, muito foi feito pelo voleibol naquela época e deve ser levado como exemplo e inspiração.

A maioria dos atletas que eu encontro perguntam: quando a Ulbra vai voltar?”, finaliza o coordenador de esportes do complexo esportivo da Ulbra, Alexsandro Alves Bauer.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: