Skip to content

Mobilidade urbana: uma realidade possível graças à Copa do Mundo de 2014

05/02/2017
16402212_1109033105871816_1602337843_n

Acima, ilustração de como seria a Avenida Padre Cacique; abaixo, obra finalizada (Foto: PMPA)

Marihá Gonçalves
mariha_tk@hotmail.com

Há sete anos, quando Porto Alegre foi uma das doze escolhidas para sediar a Copa do Mundo de 2014, começava uma batalha contra o tempo para cumprir os cronogramas estabelecidos pela Fifa para a cidade receber os jogos. Entre as exigências, dez grandes obras de mobilidade urbana estavam previstas, entre elas a construção do Viaduto sobre a Avenida Bento Gonçalves, a duplicação da Avenida Tronco e o Viaduto sobre as avenidas Padre Cacique e Edvaldo Pereira Paiva. Hoje, estas são algumas das obras prometidas e algumas concluídas que fazem do legado da Copa uma realidade possível.

O secretário da gestão de José Fortunati, Urbano Schmitt, viu a oportunidade de a administração municipal obter recursos do Governo Federal e com isso trazer mais infraestrutura para a cidade. Em janeiro de 2010, as verbas conquistadas somaram R$ 423,7 milhões. Já em 2012, em novo acordo com o Governo Federal os valores foram fechados em aproximadamente R$ 888 milhões, destinados às obras de mobilidade urbana.

Iniciadas em julho de 2010, as obras do entorno do Beira Rio, contemplam as Avenidas Padre Cacique e Edvaldo Pereira Paiva, caminho que constitui uma das principais alternativas para ligar a Zona Sul ao Centro da cidade. Na tentativa de desafogar o tráfego nos dias de jogos, criou-se o Viaduto Pinheiro Borba. O resultado positivo são os 5,8 km de pistas duplicadas, no trecho entre a Usina do Gasômetro e a Rótula das Cuias que facilitam o trânsito nos horários de pico naquela área.

Com um mês de atraso, as obras no entorno do Beira Rio foram concluídas antes dos primeiros jogos.

Dois anos à frente, iniciou-se em 2012 e teve conclusão prevista para maio de 2014 o Viaduto sobre a Avenida Bento Gonçalves foi entregue só em Junho de 2016. Segundo a Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov), as obras do viaduto que liga as avenidas Salvador França e Coronel Aparício Borges tiveram investimento no valor de R$ 69,6 milhões. Foram construídas seis faixas de tráfego, que somam uma extensão total de 540 metros.

16426574_1108982299210230_948883995_n

Acima, obra da Av. Bento Gonçalves em fase de construção; abaixo, ilustração da obra finalizada (Foto: G1 RS e PMPA)

Outra obra que iniciou em 2012, mas que ainda não teve conclusão, é a duplicação da Avenida Tronco. O processo desta obra envolve o reassentamento de 1.550 famílias de três bairros e cinco comunidades da cidade.

Segundo a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, 1.324 famílias acertaram a construção da nova moradia pelo programa Minha Casa, Minha Vida, ou optaram pelo aluguel social, na mesma região. Schimitt ressalta que a prioridade da prefeitura é solucionar e dar segurança aos moradores da região.

O maior problema para as famílias é a necessidade de reassentamento sem as condições apropriadas. Nem todas conseguiram obter um imóvel na região com o valor de R$ 52 mil que foi disponibilizado, por isso, muitas delas acabaram migrando para outras cidades.

Aos que optam pelo aluguel social, os entraves são outros, como colocar a residência locada no próprio nome, obter fiador e pagar cauções. Mas o valor repassado pela prefeitura, muitas vezes, não cobre o novo aluguel.

O planejamento da capital para receber a Copa previa que as obras feitas na Tronco facilitariam o desvio de fluxo de veículos nas áreas fechadas em volta do estádio Beira-Rio nos dias dos cinco jogos do mundial em Porto Alegre. A rota alternativa entre Norte e Sul de Porto Alegre pretende ligar a Terceira Perimetral ao Hipódromo do Cristal.

A Prefeitura informou que a conclusão das obras na Avenida Tronco está prevista para o final de 2017.

16402201_1109033109205149_2053037289_n

Avenida Tronco finalizada (Foto: PMPA)

Não há como não perceber os frutos que a Copa do Mundo de 2014 trouxe para Porto Alegre, os bons e os ruins. Os ganhos de mobilidade urbana a cada dia aparecem em um canto da cidade. A maioria das obras previstas para a Copa só ficou pronta depois do mundial, refletindo o nome que tem: legado, algo que foi deixado de herança.

Anúncios
No comments yet

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: